CARTA AOS EMPREENDEDORES QUE PARTICIPARAM DA SELEÇÃO DA SEXTA TURMA DO STARTUPSC

CARTA AOS EMPREENDEDORES QUE PARTICIPARAM DA SELEÇÃO DA SEXTA TURMA DO STARTUPSC

Meus amigos, hoje é o dia que serão anunciados os selecionados e quero conversar com todos vocês que participaram deste processo seletivo.

Em primeiro lugar, precisamos todos comemorar um fato muito importante para o ecossistema empreendedor do estado: tivemos o recorde de empresas inscritas, com 258 startups, e mais importante, o nível das empresas, que tem crescido ano após ano, foi o melhor de todas as edições!

Nosso desafio para selecionar as 20 empresas foi enorme, portanto parabenizo aos selecionados e já adianto que teremos pela frente meses de muito trabalho, aprendizado, “pivots“ e crescimento.

Como um dos selecionadores das startups e mentor do programa desde a primeira turma, gostaria de compartilhar os principais critérios que tem norteado a minha avaliação, de tal forma que vocês possam voltar para a próxima seleção com ainda mais chances de serem selecionados.

O que aprendi com 50 startups em 2013

Este ano tive a oportunidade de realizar mentoria para dezenas de startups através do StartupSCStartup WeekendSocial Good Brasil, Desafio Brasil e IBM Smart Camp. Além disso, também acompanhei as startups nas quais atuo como conselheiro e lecionei na ESAG -UDESC  um curso de empreendedorismo digital.

Analisando as principais questões discutidas com os empreendedores de mais de 50 startups, identifiquei alguns temas comuns a quase todos. Vamos a eles:

 

1 – Ideia boa é relativo!

Aprendi com as startups que é impossível dissociar uma ideia do time que está à frente do negócio. Não adianta ouvir um pitch de uma startup para dizer se o negócio é bom ou não. Uma boa ideia só será transformada num bom negócio quando for executada por um time que tenha as competências necessárias.

Empreendedorismo: arte ou ciência?

Empreendedorismo: arte ou ciência?
(artigo originalmente escrito para a Sustentare Escola de Negócios

 

Você já ouviu falar de um jovem genial no Vale do Silício que teve uma ideia brilhante, criou um site, levantou capital de fundos de investimento e depois de alguns meses já tinha milhões de usuários?

É bastante comum a percepção de que empreender é uma arte destinada apenas àqueles que estão no local certo, possuem um talento inato e são brindados por uma ideia genial. Tal como um pintor ou escritor, bastaria ao empreendedor lançar sua obra-prima que seus clientes surgiriam de todos os cantos.

Para corroborar esta ideia, não faltam exemplos como o Facebook e o Instagram, nos quais estudantes universitários, do dia para noite, tornam-se proprietários de empresas bilionárias.

Buscando um aporte de USD 1 milhão?

Buscando um aporte de USD 1 milhão?

​Você começou sua startup, vem batalhando no "bootstrap mode" ou até conseguiu algum dinheiro com parentes e amigos. Já obteve os primeiros resultados e animou-se a buscar dinheiro com algum investidor.

Para tanto, caprichou no powerpoint, montou uma planilha com uma projeção "conservadora" e, depois de muitos contatos, conseguiu uma reunião. Depois de muitas perguntas e sugestões, ouviu a frase: "olha, gostamos muito de sua startup, quando conseguir tração volte aqui que temos interesse em conversar.​"

O Fanático por Metodologia

O Fanático por Metodologia

No mês passado estive participando como mentor do Startup Weekend e me deparei com um tipo de empreendedor que tem sido cada vez comum no cenário das startups: o Fanático por Metodologias.

A conversa com ele foi muito interessante. Depois de ouvir um pitch de 3 minutos sobre uma ideia "inovadora", "disruptiva" e "original", resolvi perguntar como ele iria monetizar aquele negócio.

Ele me disse que aquela não era uma questão relevante no momento, pois de acordo com o Steve Blank, ele estava na fase de encontrar o Product/Market Fit, e como ainda iria pivotar o negócio algumas vezes, não era hora de resolver isso. Disse que segundo o Startups Genome Compass, startups que pivotam tem mais chances de sucesso.

Como avaliar se sua ideia para uma startup é boa?

Como avaliar se sua ideia para uma startup é boa?

Nós últimos dias estive envolvido com a seleção de empresas para o StartupSC e ao analisar as startups candidatas ao programa uma pergunta não tem saído da cabeça: como avaliar se uma ideia é boa ou ruim?

Como todos nós adoramos listas, elenquei 4 atributos que creio que caracterizam uma boa ideia:

1 – Está no DNA dos Empreendedores: Não adianta montar uma empresa numa área que você não conhece. Quer fazer uma solução para escritórios contábeis? É bom que na sua lista de contatos existam pelo menos meia dúzia de profissionais da área com os quais você possa conversar e aprender. Se você não sabe para quem ligar, nem para marcar a primeira reunião, é provável que esteja no mercado errado.

Papai Noel não trouxe Leads? Não adianta apelar para o Google...

Papai Noel não trouxe Leads? Não adianta apelar para o Google...

Um dos principais desafios para qualquer empresa é conseguir gerar leads de forma eficiente. Quando falamos de uma startup no mercado B2B, é muito comum ouvir de empreendedores uma expectativa de que, após colocar o site no ar, os clientes começarão a chegar.

Passados os primeiros dias de silêncio na caixa de entrada, começa a surgir a idéia de que será preciso um esforço em SEO para melhor o posicionamento nas buscas no Google e uma verba em Google Adwords para garantir mais acessos.

O resultado costuma ser o mesmo: o Google ganha dinheiro (a banca sempre ganha), e nada de leads convertidos em clientes....

4 Motivos para Apostar no B2B

4 Motivos para Apostar no B2B

Criar uma startup nunca é fácil. Sabemos que o primeiro desafio é sobreviver, portanto encontrar um modelo de negócios que traga a maior probabilidade de sucesso é fundamental.

Listo abaixo 4 características do mercado B2B que podem aumentar a chance de êxito de sua startup:

  • Proposta de Valor: de forma geral são mais claras e podem ser quantificadas. Trata-se de ajudar as empresas a reduzir custos ou aumentar a receita. Caso seu produto seja capaz disso, os clientes pagarão por isso. Não é preciso primeiro chegar a um milhão de usuários...