Como avaliar se sua ideia para uma startup é boa?

2770868509_95fbf99301_o.jpg

Nós últimos dias estive envolvido com a seleção de empresas para o StartupSC e ao analisar as startups candidatas ao programa uma pergunta não tem saído da cabeça: como avaliar se uma ideia é boa ou ruim?

Como todos nós adoramos listas, elenquei 4 atributos que creio que caracterizam uma boa ideia:

1 – Está no DNA dos Empreendedores: Não adianta montar uma empresa numa área que você não conhece. Quer fazer uma solução para escritórios contábeis? É bom que na sua lista de contatos existam pelo menos meia dúzia de profissionais da área com os quais você possa conversar e aprender. Se você não sabe para quem ligar, nem para marcar a primeira reunião, é provável que esteja no mercado errado.

2 – O problema existe e o cliente está disposto a pagar pela solução: Sua empresa deve resolver um problema real e não algo que você deduziu que seja um problema sem sair de casa. Lembre-se do craque Mané Garrincha que, após uma explicação do esquema tático dada pelo técnico Vicente Feola antes do jogo Brasil e União Soviética, perguntou: “Professor, o senhor já combinou isso com os russos?”. Faça o mesmo. Garanta que o problema existe e combine com seu cliente se ele está disposto a pagar pelo seu produto.

3 – Mercado amplo: Qual o mercado potencial da empresa?  Tente quantificar esta resposta e avalie se há barreiras para o crescimento além de sua cidade, estado ou país (legislação, logística, hábitos). Cuidado para não escolher um negócio no qual o tamanho do mercado seja um bloqueador do crescimento.

4 - Modelo de Negócio: Não invente modelos de negócios. Existem dezenas de modelos comprovados (mesmo que em outros segmentos). Além disso, não complique. Pode ser tentador criar um modelo C2C que irá permitir que crianças troquem brinquedos usados. Entretanto, um modelo como este só gera valor ao cliente quando tem milhares (ou milhões) de usuários..  E como começa? E como gera tráfego? Neste caso, talvez um modelo mais simples também possa resolver o mesmo problema.

Além de tudo que foi dito, é fundamental atentar-se ao fato de que a qualificação de uma ideia é sempre relativa. Ela sempre depende do perfil e do contexto de cada empreendedor.

Imagine uma startup em Florianópolis propondo um novo modelo de TV interativa. Certamente diríamos que é uma péssima ideia! Agora, e se for a Apple, tudo bem?

(crédito da foto: http://www.flickr.com/photos/s-t-r-a-n-g-e/2770868509/)